IoT e IIoT: conheça as diferenças entre essas duas tecnologias

Ao possibilitar a conectividade entre vários dispositivos e equipamentos por meio da Internet, a IoT e a IIoT otimizam processos industriais, elevam sua eficiência, coletam dados que embasam as tomadas de decisão e geram insights que podem aumentar a receita de uma empresa.

Conceitos como a Internet das Coisas (IoT) chegaram para revolucionar a forma com que nos relacionamos com a tecnologia e obviamente essas mudanças se estendem ao mercado. Com a 4ª Revolução Industrial e a chegada da manufatura inteligente, a Internet Industrial das Coisas (IIoT) veio para transformar a operação fabril.

Ao possibilitar a conectividade entre vários dispositivos e equipamentos por meio da Internet, a IoT e a IIoT otimizam processos industriais, elevam sua eficiência, coletam dados que embasam as tomadas de decisão e geram insights que podem aumentar a receita de uma empresa.

Continue a leitura para conhecer essas duas tecnologias e suas diferenças, descobrir como elas são aplicadas no dia a dia e como podem transformar o setor industrial.

O que é Internet das Coisas (IoT)?

A Internet das Coisas ou, em inglês, Internet of Things (IoT), corresponde a uma rede de dispositivos conectados por meio da Internet, que podem se comunicar uns com os outros, coletando e transferindo dados, e que não necessitam de intervenção humana.

Os dispositivos IoT, além de se conectarem com a Internet, normalmente contam com sensores para coleta de dados que podem extrair variados tipos de informações, como o consumo de energia elétrica ou o volume de água de uma rede de distribuição, por exemplo. Em tempo real, elas são enviadas para uma central, onde ficam disponíveis para orientar boas tomadas de decisão.

Esses sensores inteligentes, com o suporte da tecnologia IoT, também são capazes de realizar ajustes automáticos para otimizar determinada operação, além de enviar alertas sobre anomalias detectadas ou possibilidade de problemas futuros.

O que é Internet Industrial das Coisas (IIoT)?

A sigla IIoT vem do inglês Industrial Internet of Things ou, em português, Internet Industrial das Coisas. Trata-se de um viés da Internet das Coisas (IoT), mas que foca no uso dessa tecnologia para ambientes industriais.

Ela faz parte dos pilares da Indústria 4.0, justamente porque possibilita a conectividade entre máquinas e equipamentos e viabiliza a manufatura inteligente, ao lado de outras tecnologias, como a Inteligência Artificial e o Big Data, por exemplo.

A IIoT, então, é uma rede de dispositivos industriais conectados para coletar e analisar dados, realizar monitoramento e trocar informações, por meio da Internet e com o suporte da Inteligência Artificial.

Os dados coletados e processados são fundamentais para guiar as melhores tomadas de decisão, que podem otimizar processos industriais com agilidade e precisão ao identificar ineficiências e desperdícios de recursos, por exemplo.

Na produção industrial, a IIoT impacta positivamente o controle de qualidade, possibilita as práticas ESG, colabora no gerenciamento da cadeia de suprimentos e aprimora a manutenção preditiva.

Quais são as diferenças entre esses dois conceitos?

Como vimos até agora, a IoT e a IIoT funcionam de maneiras similares, mas têm diferenças significativas, principalmente quando levamos em consideração o objetivo de cada uma delas.

Um bom exemplo do uso de IoT é um smartwatch porque, além de se conectar com o celular, esse relógio tecnológico vira uma extensão dele. Sabemos, então, que a função da Internet das Coisas é deixar a vida dos consumidores mais fácil.

A IIoT, por sua vez, está focada no ambiente industrial e tem como objetivo principal melhorar a eficiência, produtividade e até a segurança das fábricas.

Isso quer dizer que a IIoT é uma tecnologia que foi feita para conversar com máquinas industriais, que utiliza sensores mais sensíveis e precisos e pode ser considerada mais sofisticada, porque contribui com controle e análises mais avançadas. Afinal, sua implantação acontece em ambientes em que uma falha pode trazer problemas graves, desde situações emergenciais até risco de vida.

A IoT, por outro lado, pode incomodar o consumidor quando falha, mas não traz riscos significativos. É justamente por isso que ela utiliza dispositivos tecnológicos com complexidade mais baixa, que custam menos e normalmente são produzidos em larga escala.

Os benefícios dessas tecnologias para o setor industrial

A IoT e sua versão específica voltada para o setor industrial, a IIoT, trazem grandes benefícios para o chão de fábrica e a gestão operacional. Confira:

Mais eficiência

Os dispositivos de IIoT coletam dados sobre o funcionamento dos equipamentos, a qualidade dos processos e a utilização de recursos. Com essas informações, fica muito mais fácil encontrar as melhores formas de reduzir o consumo e elevar a produtividade, o que melhora a eficiência da indústria.

O OEE 4.0, solução desenvolvida pela BirminD, usa os dados coletados do chão de fábrica para entender o que afeta a produção e elevar o nível da sua performance.

Redução de paradas

A emissão de alertas para informar com antecedência um possível problema reduz o tempo de inatividade de máquinas, equipamentos e até da produção como um todo. Daí a importância da análise e manutenção preditivas realizadas com o suporte da IIoT, que diminuem custos de manutenção, tempo de paradas e evitam danos mais graves aos dispositivos.

Conheça a Manutenção 4.0, solução da BirminD, e descubra como é possível otimizar processos de manutenção e reduzir custos operacionais através da análise histórica de falhas e paradas.

Controle remoto

Com as máquinas e equipamentos conectados à Internet, torna-se possível ajustar a operação de forma remota e automática de acordo com condições variáveis, elevando a capacidade de adaptação da indústria.

Decisões baseadas em dados

A utilização de sensores inteligentes possibilita a coleta de um grande volume de dados do chão de fábrica, informações essenciais para que a indústria tome decisões assertivas e que realmente trarão resultados positivos. Além disso, por meio da análise de tendências, é possível prever cenários futuros e agir proativamente realizando as mudanças necessárias.

O Historiador 4.0 é uma solução que fornece uma visão global da linha de produção, além de análises de dados que apontam diagnósticos, regressões e tendências.

A BirminD, sua desenvolvedora, é uma empresa de Otimização Industrial que se apoia em tecnologias de ponta, como a Inteligência Artificial e a Internet das Coisas, para melhorar a performance de máquinas e processos, reduzir desperdícios e refugos e minimizar os impactos ambientais das linhas de produção. Acesse nosso site, conheça as soluções disponíveis e saiba como podemos te ajudar a produzir melhor.

Você pode gostar...